6 dicas para construir um processo seletivo que encante os candidatos

Descubra o que é preciso ter em um processo seletivo para criar uma experiência única e atrair os melhores talentos para sua empresa

É claro que investir em employer branding para construir uma marca forte e desejada e oferecer um salário competitivo contribuem na atração de talentos. Mas para contratar os melhores do mercado, é preciso criar um processo seletivo que encante os candidatos. Desde a descrição da vaga até o job offer final, todas as etapas devem ser bem planejadas e focadas na experiência dos profissionais que estão participando do programa.

Pensando nisso, nós entrevistamos a Recruiting Program Manager da Thoughtworks, Gabriela Alves, para que ela pudesse dividir conosco seus conhecimentos e experiências em recrutamento e seleção. Confira a seguir as principais dicas para construir um processo seletivo eficiente, assertivo e cativante.

1. Construa uma descrição imbatível

Uma das primeiras e mais importantes dicas é: invista em uma descrição completa da vaga! Fazer um texto bem elaborado, com todas as informações relevantes que a pessoa precisa saber sobre o cargo, como uma contextualização das atividades que irá realizar especificamente naquela empresa (que pode ser um poco diferente do que o mercado exige do cargo), responsabilidades da posição, os pré-requisitos, divididos em habilidades técnicas e comportamentais, exigidos e desejados para desempenhar a função, carga horária, modelo de trabalho (presencial, home office, híbrido), os benefícios que a empresa oferece e também um resumo da empresa, o que ela faz, missão, visão e valores.

A descrição é um dos primeiros contatos que o candidato terá com a vaga, é o cartão de visitas, e já serve para “separar o joio do trigo”, isso é, atrair os talentos mais adequados para aquela função.

A Recruiting Program Manager da Thoughtworks, Gabriela Alves, destaca que a descrição precisa ser fiel à cultura da empresa para já selecionar candidatos com o perfil desejado. Ela também ressalta: “Não peque pela falta de informações, nem pelo excesso. Seja objetivo e capriche no texto. Erros de digitação ou de português podem prejudicar a credibilidade do processo seletivo”.

2. Crie etapas estratégicas

Não existe uma fórmula fixa para definir a quantidade ideal de etapas de um processo seletivo, ela dependerá do cargo, função e da empresa. Porém, o essencial para que o processo seja ideal, tanto para o candidato, quanto para a empresa, é o propósito das etapas.

O objetivo de cada fase precisa ser muito bem definido para que as necessidades da empresa sejam atendidas, mas também para que uma jornada coerente seja construída para o candidato do começo ao fim, fazendo com que ele entenda os motivos de realizar cada uma das etapas e tenha uma experiência única.

Na Thoughtworks, por exemplo, os processos seletivos são divididos em 3 etapas: 1ª realizada pelo RH focada no conhecimento do candidato como pessoa, 2ª etapa técnica que tem como premissa avaliar as hard skills por meio de prova técnica, entrevista focada na carreira profissional e fit cultural, por fim, a entrevista com liderança da área para alinhar expectativas.

3. Defina um método eficaz para as entrevistas

Um método bastante utilizado no mercado e muito útil para ser aplicado em entrevistas comportamentais é o STAR, que estimula o candidato a contar a sua história, conquistas e aprendizados por meio de exemplos, ajudando a reduzir o viés inconsciente, não objetivo ou intangível, que as entrevistas acabam trazendo e dificultando a análise dos profissionais.

As perguntas devem ser elaboradas para comprovar a experiência na função e entender como o candidato pensa e age, a partir de quatro etapas: situação, tarefa, ações e resultados.

Segundo a Recruiting Program Manager, Gabriela Alves, a Toughtworks utiliza esse método em suas entrevistas e para torná-lo ainda mais completo, eles acrescentam uma etapa a mais na técnica, a da reflexão, para entender o que o candidato aprendeu diante da jornada vivida e o que ela faria diferente se a situação voltasse a acontecer.

4. Ofereça feedback construtivo

Uma das maiores queixas dos candidatos sobre os processos seletivos é a ausência de um feedback por parte da empresa, por isso, se o foco é oferecer uma ótima experiência para os candidatos, incluir feedbacks durante o processo é imprescindível.

O ideal é oferecer avaliações e respostas em todas as etapas do processo independente da aprovação ou reprovação do candidato. Os canais mais indicados são e-mail ou em uma conversa presencial ou on-line frente a frente com o profissional.

Uma das dicas mais importantes da Gabriela Alves é de oferecer feedback que esclareça os pontos positivos e negativos do candidato e também que traga sugestões de matérias e conteúdos ricos que ajudem a pessoa a se desenvolver, como e-books, cursos, entrevistas, blog posts, entre outros.

5. Esteja preparado para vivenciar o processo seletivo

Não é só o candidato que deve se preparar para o processo seletivo, o recrutador também precisa dedicar tempo para estar pronto para realizar cada etapa do recrutamento.

Algumas dicas da Gabriela Alves são:

  • Faça um roteiro de perguntas para cada vaga em aberto com tópicos de temas que podem ser abordados e perguntas ideais para entender quais perguntas fazem mais sentido para cada perfil
  • Reconheça seus vieses inconscientes e use mais evidências para avaliar a pessoa evitando palavras como eu sinto, eu acho.
  • Tenha uma escuta ativa. Um bom processo seletivo deve contar com recrutadores realmente dispostos a escutar o candidato. Essa iniciativa pode fazer a grande diferença no conhecimento mais profundo da pessoa e de sua carreira.

“Entre em cada conversa pensando que você também tem algo a aprender, pois todos nós estamos em uma jornada de desenvolvimento. Essa escuta também ajudará a realizar os questionamentos necessários nos momentos certos”, destaca.

Gabriela Alves

6. Invista na sua carreira

Conhecimento é necessário em qualquer área de atuação, na de recrutamento e seleção não é diferente. Buscar cursos para se manter atualizado, conteúdos de profissionais disponibilizados em redes sociais, artigos, pesquisas, trocas de experiências, entre outras fontes de conhecimento, é extremamente importante para que o profissional consiga desempenhar melhor o seu papel de recrutador.

No caso de Tech Recruiters, o conhecimento em linguagem de programação, termos, funções e cargos específicos da área de tecnologia também são necessários para construção de um bom processo seletivo.

Gabriela Alves e Anna Martins, destacam que o Talks, um bate-papo ao vivo que acontece às quartas-feiras, às 16h, no YouTube da Dio Hire in Tech, também é uma ótima oportunidade para que profissionais de RH, HR e Tech Recruiters aprimorem seus conhecimentos na área.

Cada episódio traz uma entrevista exclusiva que aborda diversos temas do universo de Recrutamento e Seleção Tech como processo seletivo, onboarding, employer branding, impacto social e muito mais. O objetivo é promover a troca de experiências e conhecimento para profissionais que precisam contratar talentos de tecnologia. Se inscreva no nosso canal para assistir a todos os episódios. A seguir, Talk com Gabriela Alves na íntegra.

Agora que você já sabe como construir um processo seletivo ideal que valoriza a experiência do candidato, que tal se inscrever para o próximo Talk que abordará o tema sobre contratação de mulheres na área de tecnologia com grandes líderes do Banco Bradesco: quero me inscrever!